The Three Different Jesuses

(I) JESUS IN JUDAISM

* LIFE:

– Establishing the time of the “Jewish Jesus”:

The reference to Jesus in the Talmud is by the title: “Yeshu Ha-Notzri,” but according to Jewish chronology, he lived at the time when Joshua Ben Perakhyah led the Sanhedrin1 and, therefore, predated Jesus according to Christian chronology by almost 200 years.

– Rejection of the “Virgin Birth.” Judaism considers Jesus a bastard. The Talmud records a story:

The elders were once sitting in the gate when two young lads passed by; one covered his head and the other uncovered his head. Of him who uncovered his head Rabbi Eliezer remarked that he is a bastard.

Rabbi Joshua remarked that he is the son of a “niddah” (a child conceived during a woman’s menstrual period).

Rabbi Akiba said that he is both a bastard and a son of a niddah.

“They said, ‘What induced you to contradict the opinion of your colleagues?’

He replied, “I will prove it concerning him.”

He went to the lad’s mother and found her sitting in the market selling beans.

“He said to her, ‘My daughter, if you will answer the question I will put to you, I will bring you to the world to come.’ (eternal life). She said to him, ‘Swear it to me.’

“Rabbi Akiba, taking the oath with his lips but annulling it in his heart, said to her, ‘What is the status of your son?’

She replied, ‘When I entered the bridal chamber I was niddah (menstruating) and my husband kept away from me; but my best man had intercourse with me and this son was born to me.’

Consequently the child was both a bastard and the son of a niddah.

“It was declared, ‘..Blessed be the God of Israel Who Revealed His Secret to Rabbi Akiba…”2

Now there are numerous clear indications in other places of the Talmud3 to conclude that the preceding Talmud discussion is actually about Jesus Christ (the “bastard boy” who “uncovered his head” and was conceived in the “filth of menstruation”). The boy’s adulterous mother in this Talmud story is the mother of Christ, Mary (called Miriam and sometimes, Miriam the hairdresser, in the Talmud).

* TEACHINGS:

He and his disciples practiced sorcery and black magic, led Jews astray into idolatry, and were sponsored by foreign, gentile powers for the purpose of subverting Jewish worship.4

The Talmud also says that Jesus was in Egypt in early manhood. Rabbi Joshua b. Perakhyah is said to have fled with his pupil Jesus to Alexandria in order to escape the persecutions of the Jewish king Yannai (103-76 B.C.). On their return Jesus made a remark on the not faultless beauty of their hostess, whereupon Rabbi Perakhyah ex-communicated him. When Jesus approached him again, and was not received, he set up a brick for his god, and led all Israel into apostasy.5

Furthermore, according to the Talmud, the source of his miracles was the black magic and witchcraft, which he had learnt in his sojourn in Egypt.6

* DEATH:

Maintains that Jesus was not crucified but was hung and stoned to death:

“It is taught that on the eve of Passover, Jesus7 was hung, and forty days before this the proclamation was made: Jesus is to be stoned to death because he has practiced sorcery and has lured the people to idolatry… He was an enticer and of such thou shalt not pity or condone.”8

(II) JESUS IN CHRISTIANITY

Very well known to all; the brief points are:

* LIFE:

– Jesus was the “third of the three;” the god made flesh. Christians believe God came down to earth in human form, as Jesus said: “I and the Father are one”9

– Despite the fact the Jesus was God “made flesh”, the Christians cut queer capers to show that he was at the same time a descendant of David.10

* TEACHINGS:

– Abrogated the whole Torah Law: throughout the New Testament, Jesus contradicted the Torah and stated that its commandments were no longer applicable.11

* DEATH:

– Was crucified to death.

(III) JESUS IN ISLAM

* LIFE:

– Belief in the virgin birth.12

– The Qur’an does noy say that Jesus was the “Messiah” in the prevalent Judeo-Christian sense. It refers to Jesus as the “Masih” simply because he was more commonly known by this title among the addressees of the Qur’an.

It is precisely the same as in some developing countries, Arnold Schwarzenegger is better known, among the less educated, by the title TERMINATOR and thus your ignorant addressees are supposed to understand you better if you had referred to him by the same title.

– The Qur’an does not use the term “word” (“kalima”) for Jesus in the sense of Logos of the Gospel of John.

The Qur’an says: ?Isa son of Maryam is only a messenger of Allah and His word which He communicated to Maryam and a spirit from Him.?13

Here, the “word communicated to Mary” means that God sent His word (i.e., order) to the womb of Mary to conceive a child without the presence of a sperm. This is the sense in which the Qur’an refers to Jesus as “His word which He communicated to Maryam.”

– The Qur’an does not use the term “spirit” (“R?h”) for Jesus in the Christian sense of the Holy Spirit. The Qur’anic usage simply means that Jesus was a soul sent from God (as all of us, according to the Qur’an, are.)

* TEACHINGS:

Revival of the Torah law14, emancipating his people from the cumbersome Rabbinic law and interpreting the Torah “Law” in light of the “Wisdom” of his prophetic sayings (which the Qur’an calls Inj?l).15

* DEATH:

– Did not die on the cross:

The Jews intended to crucify Jesus, and ?ils ont cru l’avoir fait?16 (“it appeared to them as such.”)

Though “it appeared to them [i.e., to the Jews] as such [i.e., as if they were successful in crucifying Jesus],” yet this was not so in reality.17

God “took him up to Himself” (“rafa`ahu,” 4:158, Pickthal)

The Qur’an does not say as to when did the ascension of Jesus take place.

Footnotes

  1. circa 150 BCE; see, for instance, Sanhedrin 107b []
  2. Kallah 51a (emphasis added) []
  3. See for instance Shab. 104b; Sanh. 67a []
  4. Sanhedrin 43a []
  5. Sanhedrin 107b, etc. []
  6. Shabbat 104b []
  7. “Yeshu” and in Soncino footnote no. 6, Yeshu “the Nazarene” []
  8. Sanhedrin 43a []
  9. John 10:30 []
  10. Not to mention that the obvious contradiction with Jesus’ Davidic ancestry is the Christian dogma of the Virgin Birth: If Joseph did not have sex with Mary, Jesus was not related to Joseph and therefore not a descendant of David. []
  11. See John 1:45 and 9:16, Acts 3:22 and 7:37, etc. []
  12. Qur’an 19:16-22; 3:59 []
  13. Qur’an, 4:171 []
  14. Qur’an, 3:50-51 []
  15. Qur’an, 5:110a []
  16. Qur’an, 4:157, Massignon []
  17. Qur’an, 4:157 []

13 Comments

  1. We never said Jesus was a liar, we never said that he told people he was the son of God. We just say that over time, Christians began exaggerating what he was over time till, some came up with the idea that he was God since he did not have a father, note that some Christians say he is not the son of God but was his messenger. We respect and honor Jesus, we can never bad-talk any of God’s messengers; that’s why we say peace be upon them every time we mention any of them, exactly what we say after saying Muhammad’s name. And if you can take time to read what we have to say about Jesus and his Mother in the Quran, you’ll find nothing but the good things they both did. His journey from the time he was conceived till his alleged crucifixion.

  2. It is amazing to me to read of so-called religious individuals spreading such spurious accounts of Jesus while saying he was a prophet. Why don’t you just not talk about him at all? What is your point in repeating the same calumny that was spread after his resurrection by the people who hated him? In terms of what the man taught and what he did, he was consistant. He did not resist evil with evil, he healed all who came to him, he taught that those who listened to him should love one another and also to love those who hate one. The essence of the God of Israel is I AM, who said he delighted in lovingkindness, judgement (rationality or just measure) and right-use-ness or truthfulness. If you think him a liar, then don’t judge him by his words, but by his actions. His actions judge him as a good-man, a man who gave better than he took…taking nothing, but giving even his own life to show the spiritual facts of his life. For those who dispair in life, that this life can give no happiness, he showed that death has no hold on the life, by taking his body with him. This is proven by the very adages of Islam as well, in which his life afterwards with Thomas in India and elsewhere is spoken of in the flesh. These oral histories are well known in Persia, along the silk-road, and in India. So if true, we have one showing power over death as granted by his knowledge of God. If you doubt he knew God, then stop saying “peace be on him”. If he did, then your bad-talk will be your own judge in the presence of the Most High.

  3. Desmascarando Jesus de Nazaré – Parte III

    Yeshu ha-Notzri – Referências do Talmud de Babilônia – Tratado Sanhedrin 43a, Tratado Sanhedrin 107b e Tratado Sotah 47a

    O pano de fundo histórico para as passagens do Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a, Tratado Sanhedrin 107b e Tratado Sotah 47a, é que no ano de 170 a.e.c. Antíoco IV, Epífanes, governante selêucida da Síria, invadiu a Judéia e o Egito. Devido a isto, o Sumo-Sacerdote Onias III, juntamente com outros sacerdotes, fugiram para o Egito e construíram lá um templo judeu [Os Manuscritos de Jesus ? Revelando o Maior Segredo da História ? Michael Baigent ? Editora Nova Fronteira S.A. ? Rio de Janeiro (2006) ? ISBN: 85-209-1898-0]. Mais tarde, João Hyrcanus, filho de Simão Macabeu, passou a governar Israel durante os anos de 134 a.e.c. até 104 a.e.c. O historiador judeu Flávio Josefo relata em sua obra intitulada História dos Hebreus ? Primeira Parte – Antiguidades Judaicas ? Livro Décimo Terceiro ? Capítulo XVIII, que ao realizar um banquete para comemorar as vitórias de João Hyrcanus, alguns rabinos fariseus ofenderam-no e ele foi convencido por líderes saduceus a matar todos aqueles rabinos [Toldoth Tannaim Veamoraim ? Aaron Hyman, Volume II, pages 691-692 e 766]. Alguns rabinos, tais como Rabi Iehoshua Ben Perachyah e o seu discípulo Yeshu ha-Notzri, foram obrigados a fugir para Alexandria, no Egito, longe do alcance de João Hyrcanus [Toldoth Tannaim Veamoraim ? Aaron Hyman, Volume II pages 647 e 692]. Entretanto, o sábio fariseu Shimon Ben Shetach permaneceu escondido em Jerusalém com ajuda da sua irmã, Salomé Alexandra, que era nora de João Hyrcanus [Toldoth Tannaim Veamoraim ? Aaron Hyman, Volume II, pages 647, 692 e 766, e Volume III, pages 1212-1213]. Mais tarde, no ano de 104 a.e.c., quando morreu João Hyrcanus I, o seu filho, Aristóbulo I, assumiu o poder à força, pois ele tinha ordenado encarcerar a sua mãe e três dos seus irmãos. Dois deles foram Alexandre Jannaeus e Antígonus. Após a morte de Aristóbulo I, a sua esposa, Salomé Alexandra, libertou Alexandre Jannaeus e Antígonus da prisão e se casou com Alexandre Janneus, que se tornou Rei e Sumo-Sacerdote da Judéia durante os anos de 104 a.e.c. até 78 a.e.c. Como Alexandre Jannaeus também não era favorável ao partido dos fariseus, ele também passou a perseguí-los. Mesmo que Alexandre Janneus fosse um saduceu ardente, a sua esposa o convenceu a conceder ao irmão dela, o sábio fariseu Shimon Ben Shetach, a liderar o sinédrio que era dominado pelos saduceus. Em torno do ano de 88 a.e.c. a paz estava assegurada para os rabinos fariseus retornarem a Israel, pois a paz foi restaurada sob a rainha Salomé Alexandra. Quando Alexandre Jannaeus morreu no ano de 78 a.e.c, Shimon Ben Shetach emitiu uma carta a seu mentor, o Rabino Iehoshua Ben Perachyah, incentivando-o a retornar [Toldoth Tannaim Veamoraim ? Aaron Hyman, Volume II, pages 647-648 e Volume III, pages 1213-1214]. Durante um longo tempo Shimon Ben Shetach derrotou os seus oponentes saduceus no sinédrio e nomeou os seus estudantes fariseus como membros [Toldoth Tannaim Veamoraim ? Aaron Hyman, Volume II, pages 766-767 e Volume III, pages 1213-1214].

    Pouco mais de cinqüenta anos após a grande vitória obtida pelos sábios fariseus sobre os hasmoneus, quando eles se rebelaram contra a dominação greco-síria e ganharam a monarquia, estes sábios rabinos retornaram a Israel o qual contava com muitos judeus que tinham assimilado características do mundo helênico e as tinham introduzido no Judaísmo. Fariseus que antes estavam presos, agora, em liberdade, observavam a desintegração moral e ética da sociedade judaica. Um exemplo disto foi o comportamento de Yeshu ha-Notzri, o discípulo do Rabino Iehoshua Ben Perachyah. O comportamento de Yeshu ha-Notzri era de tal forma que demonstrava interesse por mulheres casadas. Como a promiscuidade moral e sexual era um sinal de muitos dos seguidores do Helenismo, o Rabino Iehoshua Ben Perachyah suspeitou que, devido a este comportamento, Yeshu ha-Notzri estava influenciado pelo Helenismo, e após um incidente foi obrigado a expulsá-lo da comunidade. Detalhes deste incidente estão relatados no Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 107b e Tratado Sotah 47a.
    O relato registra que ao chegarem no Egito o Rabino Iehoshua Ben Perachyah e Yeshu ha-Notzri, encontraram uma estalagem. A palavra aramaica Aksanya tanto significa Estalagem como Estalajadeiro ou Estalajadeira. O Rabino Iehoshua Ben Perachyah observou o quanto era bela a Aksanya referindo-se à estalagem, mas Yeshu ha-Notzri, referindo-se a Estalajadeira, afirmou que os olhos dela eram muito estreitos e, sendo assim, não era tão bonita para o seu mestre. Após esta falta de respeito ele amaldiçoôu Yeshu ha-Notzri com as duas mãos e o expulsou de sua presença. Depois de duas tentativas em vão de se reconciliar com o Rabino Iehoshua Ben Perachyah, Yeshu ha-Notzri o procurou na terceira ocasião. Nesta ocasião, em que já estava disposto a perdoá-lo, o Rabino Iehoshua Ben Perachyah, estava recitando o Shemá, o trecho mais importante do serviço de oração do Judaísmo, momento em que é proibido parar para conversar. Então, Yeshu ha-Notzri se aproximou dele, mas o rabino acenou com a mão comunicando a ele que não o interrompesse. Mas Yeshu ha-Notzri não entendeu o aceno de mãos do rabino e interpretou como se ele o estivesse expulsando mais uma vez. Após este fato, segundo as passagens mencionadas do Talmude de Babilônia, Yeshu ha-Notzri construiu um altar e passou a adorá-lo. O Rabino Iehoshua Ben Perachyah disse-lhe para ele se arrepender de tal atitude, mas Yeshu ha-Notzri recusou dizendo que tinha aprendido com ele, o próprio rabino, que alguém que transgride e leva muitas pessoas a transgredir a Lei do Eterno está privado do poder de realizar penitências. A partir daí Yeshu ha-Notzri iniciou a sua vida de práticas idolátricas juntamente com os seus discípulos que cada vez mais se admiravam dele. No Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a está registrado que os discípulos de Yeshu ha-Notzri foram Matthai, Nakai, Nezer, Buni e Todah. Diante deste comportamento idolátrico de construir um altar, observamos que Yeshu ha-Notzri nunca esteve arrependido de suas atitudes em relação ao episódio que envolve a Estajadeira. Assim, observamos o quanto estavam fundamentadas as suspeitas do Rabino Iehoshua Ben Perachyah em relação ao seu discípulo Yeshu ha-Notzri.

    Construir um altar e realizar adorações que não possuem nada em comum com o Eterno é considerado pelo Judaísmo como feitiçaria ou práticas demoníacas. Por outro lado, é interessante observar a familiaridade que Iehoshua de Nazaré possui quando o assunto é sobre expulsar demônios ou espíritos imundos. Na literatura judaica não há praticamente registros de que fariseus, saduceus, sacerdotes, sumos-sacerdotes ou rabinos tenham expulsado demônios ou espíritos imundos de alguém ou muito menos ainda realizado tais práticas em sinagogas ou em outro lugar. Entretanto, hoje em dia tais práticas são muito comuns em denominações religiosas, sobretudo, as de origem protestante. Quando se estuda os Evangelhos observa-se um número muito grande de relatos sobre expulsões de demônios ou de espíritos imundos, práticas realizadas, sobretudo, por iniciados em diversas religiosidades originárias do Egito, lugar para o qual o Rabino Iehoshua Ben Perachyah, Yeshu ha-Notzri e outros se refugiaram. As passagens dos Evangelhos sobre expulsão de demônios ou de espíritos imundos por parte de Jesus de Nazaré são as seguintes:

    Evangelho de Mateus 4,1-11.23-24; Evangelho de Mateus 8,16; Evangelho de Mateus 8,23-27; Evangelho de Mateus 8,28-34; Evangelho de Mateus 9,1-4; Evangelho de Mateus 9,32-34; Evangelho de Mateus 10,1.5-8; Evangelho de Mateus 12,22-30; Evangelho de Mateus 12,43-45; Evangelho de Mateus 15,21-28; Evangelho de Mateus 17, 14-20;

    Evangelho de Marcos 1,9-13; Evangelho de Marcos 1,21-28; Evangelho de Marcos 1,32-34; Evangelho de Marcos 3,11-15; Evangelho de Marcos 3,20-27.30; Evangelho de Marcos 4,35-41; Evangelho de Marcos 5,1-20; Evangelho de Marcos 6,7-13; Evangelho de Marcos 7,24-30; Evangelho de Marcos 9,14-29; Evangelho de Marcos 9,38-39; Evangelho de Marcos 11,20-22; Evangelho de Marcos 16,9; Evangelho de Marcos 9,14-18;

    Evangelho de Lucas 4,1-13; Evangelho de Lucas 4,31-37; Evangelho de Lucas 4,38-41; Evangelho de Lucas 6,17-19; Evangelho de Lucas 8,1-3; Evangelho de Lucas 8,22-25; Evangelho de Lucas 8,26-39; Evangelho de Lucas 9,1; Evangelho de Lucas 9,37-43; Evangelho de Lucas 9,49-50; Evangelho de Lucas 10,17-20; Evangelho de Lucas 11,14-26; Evangelho de Lucas 13,10-13; Evangelho de Lucas 13,31-32;

    Evangelho de João 7,20; Evangelho de João 8,48-49; Evangelho de João 10,19-20;

    Conforme mencionado anteriormente, construir um altar e realizar adorações que não possuem nada em comum com o Eterno é considerado pelo Judaísmo como feitiçaria ou práticas demoníacas. De acordo com isto, é interessante observar às seguintes passagens do Evangelho de Mateus e Evangelho de Marcos:

    De manhã, voltando à cidade, teve fome. Vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-se dela, mas só achou nela folhas; e disse-lhe: ?Jamais nasça fruto de ti!? E imediatamente a figueira secou. À vista disto, os discípulos ficaram estupefatos e disseram: ?Como ficou seca num instante a figueira?!? Respondeu-lhes Jesus: ?Em verdade vos declaro que, se tiverdes fé e não hesitardes, não só fareis o que foi feito a esta figueira, mas ainda se diserdes a esta montanha: Levanta-te daí e atira-te ao mar, isso se fará… Tudo o que pedirdes com fé na oração, vós o alcançareis.? (Mateus 21,18-22)

    No outro dia, ao saírem de Betânia, Jesus teve fome. Avistou de longe uma figueira coberta de folhas e foi ver se encontrava nela algum fruto. Aproximou-se da árvore, mas só encontrou folhas, pois não era tempo de figos. E disse à figueira: ?Jamais alguém coma fruto de ti!? E os discípulos ouviram esta maldição. (Marcos 11,12-14)

    No dia seguinte pela manhã, ao passarem pela figueira, viram que ela secara até a raiz. Pedro lembrou-se do que se tinha passado na véspera e disse a Jesus: ?Olha, Mestre, como secou a figueira que amaldiçoas-te!? Respondeu-lhe Jesus: ?Tende fé em Deus. Em verdade vos declaro: todo o que disser a este monte: Levanta-te e lança-te ao mar, se não duvidar no seu coração, mas acreditar que sucederá tudo o que disser, obterá esse milagre. Por isso vos digo: tudo o que pedirdes na oração, crede que o tendes recebido, e ser-vos-á dado. E quando vos puserdes de pé para orar, perdoai, se tiverdes algum ressentimento contra alguém, para que também vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe os vossos pecados. [Mas se não perdoardes, tampouco vosso Pai que está nos céus vos perdoará os vossos pecados.]? (Marcos 11,20-26)

    A explicação fornecida pela teologia cristã para explicar estas passagens é muito hipócrita. Ela desesperadamente tenta explicar que este comportamento de Jesus de Nazaré foi necessário para demonstrar a eficácia da oração, e que esta atitude dele nunca ocorreu, mas que estas passagens são um simbolismo em que a figueira, por estar sem frutos, representa o povo de Israel o qual não aceitava os ensinamentos de Jesus de Nazaré. Mas a realidade é bem diferente. Diante de tais passagens é importante registrar, aqui, não só a falta de sensibilidade de Jesus de Nazaré para com a figueira, pois, o autor do Evangelho de Marcos 11,13 registrou que não era tempo de figos e Jesus de Nazaré deveria saber disto, mas como também a gravidade da atitude de amaldiçoar uma figueira, atitude digna de um feiticeiro. Por outro lado, cabe saber que o figo é uma das sete frutas que honram a Terra de Israel. Para isto, vamos examinar as seguintes passagens da Torá:

    Porque o senhor, teu Deus, vai conduzir-te a uma terra excelente, cheia de torrentes, de fontes e de águas profundas que brotam nos vales e nos montes; uma terra de trigo e de cevada, de vinhas, de figueiras, de romãnzeiras, uma terra de óleo de oliva e de mel, uma terra onde não será racionado o pão que comeres, e onde nada faltará; terra cujas pedras são de ferro e de cujas montanhas extrairás o bronze. Comerás à saciedade, e bendirás o Senhor, teu Deus, pela boa terra que te deu. [Torá Devarim (Deuteronômio) 8,7-10]

    ?Quando sitiares uma cidade durante longo tempo e tiveres de lutar para apoderar-te dela, não cortarás as árvores a golpe de machado; comerás os seus frutos, mas não derrubarás as árvores. A árvore do campo seria porventura um homem para que a ataques? Somente aquelas árvores que souberes não serem frutíferas poderás destruí-las e abate-las para os trabalhos do cerco contra a cidade inimiga, até que ela sucumba.? [Torá Devarim (Deuteronômio) 20,19-20]

    É simplesmente incrível!!! Enquanto que o Eterno ordena: Comerás à saciedade, e bendirás o Senhor, teu Deus, pela boa terra que te deu. [Torá Devarim (Deuteronômio) 8,7-10], Jesus de Nazaré amaldiçoa a figueira nas seguintes passagens:

    ?Jamais nasça fruto de ti!? (Mateus 21,19)

    ?Jamais alguém coma fruto de ti!? (Marcos 11,14)

    É simplesmente incrível!!! Enquanto que o Eterno ordena: A árvore do campo seria porventura um homem para que a ataques? Somente aquelas árvores que souberes não serem frutíferas poderás destruí-las e abatê-las para os trabalhos do cerco contra a cidade inimiga, até que ela sucumba.? [Torá Devarim (Deuteronômio) 20,19-20], Jesus de Nazaré amaldiçoa a figueira, que é uma planta e não um homem, nas seguintes passagens:

    ?Jamais nasça fruto de ti!? (Mateus 21,19)

    ?Jamais alguém coma fruto de ti!? (Marcos 11,14)

    Nesta passagem da Torá o Eterno adverte que em tempo de guerra o machado só poderá ser utilizado contra árvores que não produzirem frutos para que, desta forma, elas possam ser utilizadas para a construção de cercados contra a cidade inimiga. Pergunta-se aqui: Em caso de não haver guerra é lícito amaldiçoar uma árvore? O mais engraçado de tudo isto é que na Bíblia da Editora Ave Maria, a passagem da Torá Devarim (Deuteronômio) 8,1-20, em que está contida a passagem da Torá Devarim (Deuteronômio) 8,7-10, está intitulada Gratidão para com Deus. Como foi grande a gratidão de Jesus de Nazaré para com o Eterno, a quem muitas vezes chamava de Pai!!! [As Contradições do Novo Testamento ?Algumas Razões para não Crer no Messias dos Cristãos ? Evilásio Araújo ? 3ª Edição – Sinagoga Beit Israel ? Brasília ? Distrito Federal (2003)]

    O Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a registra que devido às suas atitudes idolátricas Yeshu ha-Notzri foi exibido em público durante quarenta dias e um arauto caminhava à sua frente chamando pessoas para o defenderem, pois em caso contrário ele seria apedrejado. Todavia, ninguém se apresentou para defendê-lo. Como resultado das acusações por idolatria efetuadas contra ele, Yeshu ha-Notzri foi condenado à morte por apedrejamento pelo sinédrio. Em seguida o seu corpo foi pendurado em uma trave na véspera da festa de Pêssach. Assim se cumpriu a sentença por crime de idolatria que o Eterno, Bendito Seja, ordenou a Moshê para ser executada:

    ?Se teu irmão, filho de tua mãe, ou teu filho, tua filha, a mulher que repousa no teu seio, ou o amigo a quem amas como a ti mesmo, tentar seduzir-te, dizendo em segredo: Vamos servir outros deuses ? deuses desconhecidos de ti e de teus pais, ou deuses das nações próximas ou distantes que estão em torno de ti, de uma extremidade da terra a outra -, tu não lhe cederás no que te disser, nem o ouvirás. Teu olho não terá compaixão dele, não o pouparás e não ocultarás o seu crime. Tens, ao contrário, o dever de matá-lo: serás o primeiro a levantar a mão para matá-lo, e a levantará em seguida o povo. Tu o apedrejarás até que ele morra, porque tentou desviar-te do Senhor, teu Deus, que te tirou do Egito, da casa da servidão. Todo o Israel será tomado de temor ao sabê-lo, e não se renovará mais tal crime no meio de vós.? (Torá Devarim 13,6-11)

    Assim, torna-se claro porque um arauto caminhava à frente de Yeshu ha-Notzri anunciando os seus crimes de idolatria e chamando pessoas para defendê-lo: Teu olho não terá compaixão dele, não o pouparás e não ocultarás o seu crime. [Torá Devarim (Deuteronômio) 13,8] Assim, torna-se claro porque Yeshu ha-Notzri foi apedrejado: Teu olho não terá compaixão dele, não o pouparás e não ocultarás o seu crime. Tens, ao contrário, o dever de matá-lo: serás o primeiro a levantar a mão para matá-lo, e a levantará em seguida o povo. Tu o apedrejarás até que ele morra, porque tentou desviar-te do Senhor, teu Deus, que te tirou do Egito, da casa da servidão. [Torá Devarim (Deuteronômio) 13,8-10]

    É interessante fazer a comparação entre a prisão de Yeshu ha-Notzri antes da festa de Pêssach e os planos para que fosse executada a prisão de Jesus de Nazaré antes da festa de Páscoa. Para isto, vamos examinar as passagens do Evangelho de Mateus 26,1-5, Evangelho de Marcos 14,1-2 e Evangelho de João 19,13-14.

    Quando Jesus acabou todos esses discursos, disse a seus discípulos: ?Sabeis que daqui a dois dias será a Páscoa, e o Filho do homem será traído para ser crucificado.? Então o príncipe dos sacerdotes e os anciãos do povo reuniram-se no pátio do sumo-sacerdote, chamado Caifás, deliberaram sobre os meios de prender Jesus por astúcia e de o matar. E diziam: ?Sobretudo, não seja durante a festa. Poderá haver um tumulto entre o povo.? (Mateus 26,1-5)

    Ora, dali a dois dias seria a festa da Páscoa e dos (pães) Ázimos; e os sumos-sacerdotes e os escribas buscavam algum meio de prender Jesus à traição para matá-lo. ?Mas não durante a festa, diziam eles, para não haver talvez algum tumulto entre o povo.? (Marcos 14,1-2)

    Ouvindo estas palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado Lajeado, em hebraico Gábata. (Era a preparação para a Páscoa, cerca da hora sexta.) Pilatos disse aos judeus: ?Eis o vosso rei!? (João 19,13-14)

    Vale apena salientar que quarenta dias designa espaço de tempo pelo qual o Sanhedrin (Sinédrio) postava avisos em muitos lugares, pedindo que testemunhas apresentem argumentos para defender um determinado réu, e que venham testemunhar a seu favor. Caso as testemunhas sejam dignas de mérito e o conteúdo de suas informações puder salvar o réu, então o réu continuará a viver, desde que o mesmo se arrependa de seus erros. Em caso contrário, este deve ser condenado a uma das quatro penalidades capitais judaicas, entre as quais a crucifixão não é uma delas. Sobre Yeshu ha-Notzri, o Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a registra que:

    Na véspera de Pêssach, Yeshu foi suspenso. Durante quarenta dias, um arauto passou diante dele, gritando: Yeshu vai ser apedrejado por ter praticado feitiçaria e por ter seduzido o povo de Israel e o levado por maus caminhos; que qualquer um que tenha alguma coisa a dizer em sua defesa se apresente e o defenda. Ninguém veio defendê-lo. Por isto eles o penduraram na véspera de Pêssach. Ulla perguntou: Você acha que ele era alguém em cujo favor deviam ser chamados defensores? Não era ele um sedutor, a quem se aplicava a ordem divina, não olharás com piedade, não o pouparás (Torá Devarim 13,8-9)? Mas eles responderam com Yeshu as coisas eram diferentes, porque ele era íntimo do governo. (Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a)

    Como vemos, Yeshu ha-Notzri foi condenado pelo Sinédrio por idolatria e feitiçaria. Ele foi apedrejado, e o seu corpo foi pendurado (e não crucificado) em uma trave, após a morte como sinal de maldição como determina a Torá Devarim (Deuteronômio) 21,22-23:

    ?Quando um homem tiver cometido um crime que deve ser punido com a morte, e for executado por enforcamento numa árvore, o seu cadáver não poderá ficar ali durante a noite, mas tu o sepultarás no mesmo dia; pois aquele que é pendurado é um objeto de maldição divina. Assim, não contaminarás a terra que o Senhor, teu Deus, te dá por herança.? [Torá Devarim (Deuteronômio) 21,22-23]

    A história relata que milhares de judeus foram crucificados pela legislatura romana. Diante desta informação, apologistas cristãos não lembram, aparentam não lembrar, desconhecem, ou eles fingem desconhecer tal informação. Esta era a realidade romana, especialmente pouco antes do ano 70 d.e.c., quando o Segundo Templo de Jerusalém foi destruído. A cidade de Jerusalém estava circundada de cadáveres se descompondo em todo o seu contorno. Porém, autores dos Evangelhos, desconhecendo costumes judaicos, traduziram a palavra Trave por Cruz, que era o instrumento de suplício aplicado pela legislatura romana, e também forjaram o relato da traição através de uma pessoa referida como Judas Iscariotes. As passagens dos Evangelhos que contêm esta traição são: Evangelho de Mateus 26,14-16; Evangelho de Mateus 26,21-25; Evangelho de Mateus 26,47-50; Evangelho de Marcos 14,10-11; Evangelho de Marcos 14,17-20; Evangelho de Marcos 14,43-46; Evangelho de Lucas 22,1-6; Evangelho de Lucas 22,21-23; Evangelho de Lucas 22,47-48; Evangelho de João 13,1-4; Evangelho de João 13,21-30 e Evangelho de João 18,1-8; Na realidade, Yeshu ha-Notzri era parente da Rainha Salomé Alexandra, da estirpe macabéia. Por outro lado, não havia descendentes do Rei David na Terra de Israel no período do Segundo Templo, pois a história relata que com o novo governo dominado pela família sacerdotal dos hasmoneus, os descendentes da casa real retornaram à Babilônia, para dar continuidade ao governo de autonomia judaica que lhes fora concedida pelo filho do Rei Nabucodonosor. Este governo perdurou até o final do período dos Gueonim da Babilônia, cerca do ano 1000 d.e.c. O califa muçulmano de Bagdad os perseguiu, encarcerando-os até o último sucessor do trono, o Rabino Hizqiá Ben David. Os dois únicos filhos deste rabino fugiram para a Espanha, sendo estes os antepassados da família Abravanel, que posteriormente trocaram seus nomes para Fernandes, Rodrigues, Roiz e Dormido. Nomes de disfarce para escapar à Inquisição da Igreja Católica Romana. Muitos sobrenomes de judeus em português eram substituídos ou corrompidos para escapar à perseguição católica inquisidora.

    Conforme mencionado anteriormente, o Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a relata que Yeshu ha-Notzri possuía cinco discípulos: Matthai (Mateus), Nakai (Lucas), Nezer (Uma designação para cristão naquela época), Buni (Provavelmente Nicodemos) e Todah (Tadeu), e que ele foi apedrejado na véspera da festa de Páscoa. Interessante notar é que os nomes de Matthai (Mateus), Nakai (Lucas) e de Todah (Tadeu) constam no Evangelho de Mateus 10,1-4, Evangelho de Marcos 3,13-19, Evangelho de Lucas 6,12-16 e no Evangelho de João 1,35-51. A situação de Jesus de Nazaré começa a se complicar ainda mais diante destas passagens do Talmud de Babilônia devido ao fato de que Matthai e Todah, os nomes de dois dos discípulos de Yeshu ha-Notzri, serem as formas originais hebraicas de Mateus e Tadeu, nomes de dois dos discípulos de Jesus de Nazaré, segundo os Evangelhos. Devido ao fato de informações com relação a Yeshu ha-Notzri estarem quase de acordo com Jesus de Nazaré, com exceção da época em que ocorreram, como relatadas nos Evangelhos, informações estas contidas em tratados do Talmud de Babilônia, tais informações se revelaram danosas para o Cristianismo. Desta forma, autores cristãos e judeus tentaram desacreditar estas informações e produziram muitos argumentos engenhosos para explicar que não há conexão alguma entre Yeshu ha-Notzri e Jesus de Nazaré. Será que, de fato, não há conexão alguma entre Yeshu ha-Notzri e Jesus de Nazaré?

  4. Desmascarando Jesus de Nazaré – Parte II

    O nome Fariseu é originário da palavra hebraica Perushin (??????). Esta designação é dada a um grupo de judeus devotos ao estudo da Torá, surgido no século II a.e.c. Este grupo era opositor ao grupo dos Saduceus. Os fariseus eram seguidores da Lei Oral em conjunto com a Lei Escrita, e foram os criadores da Sinagoga. Com a destruição do Segundo Templo de Jerusalém no ano de 70 d.e.c., o poder dos saduceus diminuiu e a influência dos fariseus cresceu dentro da comunidade judaica, e eles se tornaram os precursores do Judaísmo Rabínico. Os fariseus não eram um grupo homogêneo. Eles afirmavam que a única razão da existência de dois fariseus era justamente para se criticarem e, assim, não permaneceriam acomodados. Devido a isto, surgiu um ditado que caracteriza o povo judeu até hoje: Onde houver dois judeus, haverá três opiniões, três partidos políticos ou três sinagogas. A literatura farisaica e rabínica e as pesquisas históricas permitem identificar cerca de trezentos personagens ligados ao farisaísmo. Reconstruir a biografia de cada um deles é um trabalho muito penoso.

    Os sábios fariseus Iossef Ben Ioézer, de Tzeredá, e Iossef Ben Iochanan, de Jerusalém, formavam o primeiro dos cinco pares dos chamados Zugots, ou seja, sábios que trabalharam em duplas como líderes religiosos que conduziram a vida espiritual do povo judeu em Israel. Os dois sábios viveram no início do século II a.e.c., na geração anterior à revolta dos macabeus. Eles atuaram como líderes espirituais dos judeus em Israel, entre a época da Grande Assembléia e a época dos Tanaítas, que eram sábios do tempo da Mishná. A luta contra o Helenismo resultou na morte de Iossef Ben Ioézer ocorrida no ano de 162 a.e.c. Segundo relata a tradição, o seu sobrinho Alcimo o fez ser enforcado pelos greco-sírios. A caminho do cadafalso, Iossef Ben Ioézer falou rapidamente com o seu sobrinho e infundiu-lhe um remorso tão grande que o mesmo, pouco mais tarde, cometeu suicídio.

    Os sábios fariseus Iehoshua Ben Perachyah e Nitai de Arbel receberam ensinamentos dos sábios fariseus Iossef Ben Ioézer, de Tzeredá, e Iossef Ben Iochanan, de Jerusalém. Os dois sábios judeus formaram o segundo par de Zugots. Eles viveram na segunda metade do século II a.e.c. Em sua juventude, o Rabino Hilel testemunhou Iehoshua Ben Perachyah tornar-se Nassí após a morte trágica de Iosse Ben Ioézer, de Tzeredá, no ano de 162 a.e.c. Na época de Iehoshua Ben Perachyah, João Hyrcanus I, filho de Simão Macabeu, controlou a Judéia de 134 a.e.c. até 104 a.e.c. Neste período de tempo, João Hyrcanus I continuou o processo de judaização da Palestina, mas, por adotar medidas militares e políticas helenizantes, ele passou a enfrentar oposição dos fariseus, um movimento religioso judaico que se tornava cada vez mais popular [Jerusalém ? Uma Cidade, Três Religiões ? Karen Armstrong ? Companhia das Letras ? São Paulo (2000) ? ISBN: 85-359-0004-7]. Sendo ele também um Cohen Gadol e um saduceu confirmado e contrário ao movimento fariseu, ele também perseguiu os fariseus. Assim, Iehoshua Ben Perachyah precisou fugir para o Egito em busca de segurança. Iehoshua Ben Perachyah parmaneceu no Egito até o sábio fariseu Shimon Ben Shatach o trazer de volta, mais ou menos em torno do ano de 88 a.e.c., quando a paz foi restaurada sob Salomé Alexandra, irmã de Shimon Ben Shatach e esposa de Alexandre Jannaeus, conforme registrado no Talmude de Babilônia Tratado Sotah 47a. Os sábios fariseus Iehudá Ben Tabai e Shimon Ben Shatach formaram o terceiro par de Zugots que conduziram a vida espiritual do povo judeu em Israel no século II a.e.c.

    O nome Nazireu é originário da palavra hebraica Nazir (????) e esta palavra provém da raiz Nazar (???) que significa Consagrado ou Separado. Segundo a Torá, é a palavra utilizada para designar uma pessoa que se consagra ao Eterno, porém por um período de tempo determinado. As características mais comuns do nazireu, que podia ser homem ou mulher, eram o de não cortar o cabelo e de se abster do consumo de vinho. O nazireu poderia inclusive ser um escravo. O Voto de Nazireado ou Voto de Nazireato está institucionalizado e regulamentado na Torá Bamidbar (Números) 6,1-21. Em virtude desta consagração, o nazireu devia abster-se de tomar alimentos e bebidas fermentadas, de cortar o cabelo e tocar em cadáveres. Estas exigências particulares eram as seguintes: Manter-se mentalmente são (abster-se de vinho e de bebida fermentada, por exemplo) e em sujeição ao Eterno (simbolizado pelo não cortar o cabelo, por exemplo), e manter-se cerimonialmente puro (não tocar em cadáveres, por exemplo). No caso de o nazireu ter contato com cadáveres os votos tomados por ele seriam considerados inválidos e os mesmos precisariam ser novamente realizados. Porém, antes de retomar os votos, o nazireu passava por uma semana completa de purificação, no termo da qual raspava o cabelo [Torá Bamidbar (Números) 6,9]. Exemplos de voto de nazireu estão contidos nas passagens do Livro dos Juízes 13,1-7,16-17 e I Samuel 1,11, onde Sansão e Samuel foram, respectivamente, nazireus desde o nascimento. Em virtude desta consagração, tanto a mãe, durante a gravidez, como o futuro nazireu, deviam abster-se de alimentos e bebidas fermentadas, de cortar o cabelo, e de tocar em cadáveres. Após a conclusão do seu voto, o nazireu realizava o ritual de purificação e realizava três oferendas no Santuário. Porém um voto como o realizado por Sansão foi um voto para toda a vida.

    Os primeiros cristãos acreditavam que o Messias nasceria na cidade de Belém. Esta crença é baseada em uma má interpretação da passagem do livro de Miquéias 5,1-5, que nomeia a cidade de Belém como a cidade onde a linhagem do Rei David começou.

    Mas tu, Belém Efrata, tão pequena entre os clãs de Judá, é de ti que sairá para mim aquele que é chamado a governar Israel. Suas origens remontam aos tempos antigos, aos dias do longíquo passado. Por isso, (Deus) os deixará, até o tempo em que der à luz aquela que há de dar à luz. Então o resto de seus irmãos voltará para junto dos filhos de Israel. Ele se levantará para (os) apascentar, com o poder do Senhor, com a majestade do nome do Senhor, seu Deus. Os seus viverão em segurança, porque ele será exaltado até os confins da terra. E assim será a paz. Quando o assírio invadir nossa terra e pisar nossos terrenos, resistir-lhe-emos com sete pastores e oito príncipes do povo. Devastarão a terra da Assíria com o gládio, e com a espada a terra de Nemrod. Assim nos salvará ele do assírio, quando este invadir nossa terra e atacar nosso solo. (Miquéias 5,1-5)

    A referência desta passagem consta no Evangelho de Mateus 2,5-6. Na análise desta passagem percebemos a inclusão de uma passagem do texto de Miquéias, que, fora do seu contexto, aplica-se muito bem aos propósitos dos interessados, mas o seu real contexto é completamente diferente. Na realidade, prosseguindo com os versículos de 2-5 do livro de Miquéias observamos que a pessoa de quem se está falando é a que livrará o povo de Israel da Assíria. Embora o exame destas passagens não mencione o nome de quem irá dar à luz e quem nascerá para apascentar os israelitas, o mais provável é que seja Ezequias, o filho do rei Acaz, Rei de Judá (721 a.e.e.-693 a.e.c.), já que a profecia de Isaías 7,14 se refere a ele. Assim, esta interpretação dos primeiros cristãos revela-se distorcida.

    Como os primeiros cristãos acreditavam que Jesus de Nazaré era o messias profetizado tão aguardado, eles automaticamente acreditaram ou espalharam a informação de que ele tinha nascido na cidade de Belém. Porém, os primeiros cristãos de origem grega acreditavam que ele tinha vivido em Nazaré porque eles não conheciam o significado da palavra Nazareno. Para isto, vamos estudar o Evangelho de Mateus 2,21-23:

    Mateus 2,21-23: José levantou-se, tomou o menino e sua mãe e foi para a terra de Israel. Ao ouvir, porém, que Arquelau reinava na Judéia, em lugar de seu pai Herodes, não ousou ir para lá. Avisado divinamente em sonhos, retirou-se para a província da Galiléia e veio habitar na cidade de Nazaré para que se cumprisse o que foi dito pelos profetas: Será chamado Nazareno.

    Quais profetas predisseram que o Messias seria chamado de Nazareno? Nenhum proeta predisse isto. Como é possível, então, citar uma profecia que não existe? Parece que existe uma nítida preocupação em citar passagens dos livros proféticos na tentativa de identificar Jesus de Nazaré como Messias. Assim, esta interpretação dos primeiros cristãos revela-se distorcida.

    Por outro lado, a forma grega primitiva da palavra Nazareno é Nazoraios, que deriva da palavra Natzoriya, que é a palavra aramaica equivalente da palavra hebraica Notzri. O nome Yeshu ha-Notzri é o nome original hebraico para se referir a Jesus de Nazaré ou Jesus, O Nazareno, como está registrado em passagens bastante curiosas de alguns Tratados do Talmud de Babilônia juntamente com os seus respectivos comentários explicados e registrados em notas de rodapé. Os primeiros cristãos suporam que Nazareno significava uma pessoa oriunda de uma localidade chamada Nazaré, e assim assumiu-se que Jesus tinha vivido na localidade de Nazaré. Daí, então, se escrever Jesus de Nazaré. Ainda hoje, cristãos confundem as palavras hebraicas Notzri, que significa Nazareno ou Cristão, Natzrati, que significa Nazareno como sendo uma pessoa natural da localidadede Nazaré, e Nazir, que significa Nazarite. Todas estas palavras possuem significados completamente diferentes uma da outra. Por outro lado, não existem provas de que uma localidade chamada Nazaré existia na época em que viveu Jesus de Nazaré, como relatado nos Evangelhos. Na realidade, é bastante curioso o fato desta palavra ser mencionada pela primeira vez no século III d.e.c. [O Santo Graal e a Linhagem Sagrada ? Michael Baigent, Richard Leigh e Henry Lincoln ? Editora Nova Fronteira S.A. ? Rio de Janeiro (1993) ? ISBN: 85-209-0474-2]; [Os Manuscritos de Jesus ? Revelando o Maior Segredo da História ? Michael Baigent ? Editora Nova Fronteira S.A. ? Rio de Janeiro (2006) ? ISBN: 85-209-1898-0].

    Há cerca 100 a.e.c., no tempo dos sábios fariseus Iehoshua Ben Perachyah e Nitai de Arbel, já haviam pessoas referidas como Notzrim. A palavra hebraica referida para Cristãos é Notzrim. Esta palavra deriva da palavra hebraica Neitzer, que significa Broto ou Rebento, palavra utilizada para simbolizar o messianismo. Embora os cristãos afirmem que o Cristianismo surgiu no século I d.e.c., os cristãos do século I d.e.c. em Israel se consideravam como a continuação do Movimento Notzri, um movimento que já existia à cerca de 150 a.e.c. Um dos Notzrim foi Yeshu ha-Notzri, discípulo do Rabino Iehoshua Ben Perachyah, como está registrado em algumas passagens de Tratados do Talmud de Babilônia juntamente com comentários registrados em notas de rodapé. O nome hebraico para Jesus é Yeshu, e o nome hebraico para Jesus de Nazaré é Yeshu ha-Notzri, mas há um problema de tradução com respeito às palavras Nazaré e Notzri a ser discutido mais adiante. O nome Yeshu é diminutivo do nome Yeshua, e não do nome Iehoshua (Jesus). Os estudiosos do Talmude de Babilônia sempre afirmaram que a história de Jesus de Nazaré começou com os relatos talmúdicos sobre Yeshu ha-Notzri [Introduction to Talmud and Midrash ? Herman L. Strack, Gunter Stemberger and Markus Bockmuehl – Augsburg Fortress ? Minneapolis, United States (1992) ? ISBN: 0800625242]. Uma vez que apologistas do Cristianismo negam qualquer ligação entre Jesus de Nazaré e Yeshu ha-Notzri devido ao fato dos dois terem vivido em épocas diferentes, segundo registros dos Talmud de Babilônia e Evangelhos, eles estão impossibilitados de aceitar que Yeshu ha-Notzri e Jesus de Nazaré são a mesma pessoa.

    No Talmud de Babilônia encontram-se referências ou comentários registrados em notas de rodapé a respeito de Iehoshua Ben Perachyah ou Joshua Ben Perahiah, e a respeito do nome Jesus de Nazaré são encontradas referências e comentários sobre os nomes de Jesus The Nazarene, Jesus of Nazareth, Yeshu (Yeshu ha-Notzri), Ben Pandira e Ben Stada [The Soncino Hebrew Babylonian Talmud ? Translation Edited by Rabbi Isidore Epstein ? The Soncino Press, Ltd. ? New York, USA (1990) ? ISBN: 1871055504].

    Referências ou comentários registrados em notas de rodapé a respeito dos nomes Jesus The Nazarene ou Jesus of Nazareth constam em alguns Tratados do Talmud de Babilônia. Estas referências ou comentários podem ser encontrados no site http://www.come-and-hear.com/. As referências juntamente com as suas respectivas páginas do referido site seguem abaixo:

    Talmud de Babilônia Tratado Abodah Zarah 16b – http://www.come-and-hear.com/zarah/zarah_16.html

    Talmud de Babilônia Tratado Abodah Zarah 17a – http://www.come-and-hear.com/zarah/zarah_17.html

    Talmud de Babilônia Tratado Abodah Zarah 27b – http://www.come-and-hear.com/zarah/zarah_27.html

    Talmud de Babilônia Tratado Gittin 57a – http://www.come-and-hear.com/gittin/gittin_57.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_43.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 46a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_46.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 56a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_56.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 61b – http://www.come-and-hear.com/s.....in_61.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 67a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_67.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 106a – http://www.come-and-hear.com/s.....n_106.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 106b – http://www.come-and-hear.com/s.....n_106.html

    Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 107b – http://www.come-and-hear.com/s.....n_107.html

    Talmude de Babilônia Tratado Sotah 47a – http://www.come-and-hear.com/sotah/sotah_47.html

    Referências ou comentários registrados em notas de rodapé a respeito do nome Yeshu estão registradas no Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 43a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_43.html.

    Referências ou comentários registrados em notas de rodapé a respeito do nome Ben Stada estão registradas no Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 67a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_67.html e Talmud de Babilônia Tratado Shabbath 104b – http://www.come-and-hear.com/s.....h_104.html.

    Referências ou comentários registrados em notas de rodapé a respeito do nome Ben Pandira estão registradas no Talmud de Babilônia Tratado Sanhedrin 67a – http://www.come-and-hear.com/s.....in_67.html.

    Referências ou comentários registrados em notas de rodapé a respeito do nome Joshua Ben Perahiah estão registradas no Talmude de Babilônia Tratado Sotah 47a – http://www.come-and-hear.com/sotah/sotah_47.html.

    Referências ou comentários registrados em notas de rodapé sobre um Rolo de Genealogias semelhante à genealogia apresentada no Evangelho de Mateus 1,1-17 e Evangelho de Lucas 3,23-38 estão registradas no Talmude de Babilônia Tratado Yebamoth 49a – http://www.come-and-hear.com/y.....th_49.html e no Talmude de Babilônia Tratado Yebamoth 49b – http://www.come-and-hear.com/y.....th_49.html.

    A tarefa agora é saber se os nomes Yeshu ha-Notzri, Ben Pandira e Ben Stada, conforme mencionados e comentados nos tratados do Talmud de Babilônia, representam ou não a pessoa de Jesusa de Nazaré. Para isto, é necessário conhecer alguns escritos judaicos.

    A Toseftá é uma obra em que está contida uma coletânea de comentários e acréscimos ao Talmud, o qual trata de discussões sobre as leis contidas na Torá. Esta coletânea foi produzida ao mesmo tempo em que a Mishná, mas que não está contida nela. A Baraitá é uma outra coletânea de ensinamentos e comentários da Lei Oral. A Mishná é o escrito rabínico mais antigo que foi preservado. Trata-se de uma coletânea de leis e interpretações da Torá transmitidas oralmente. É um compêndio de opiniões sobre a Halaká, a Lei Judaica, proferidas por diversos rabinos ao longo dos dois séculos que precederam a sua publicação. A Mishná foi redigida no início do século III d.e.c.

  5. Desmascarando Jesus de Nazaré – Parte I

    A experiência humana revela que fatos históricos ocorridos só sobrevivem durante muito tempo na memória de um povo quando a última pessoa a qual pertence este povo se lembra deles. A memória é como fogo, é radiante e imutável, enquanto que em várias ocasiões a história foi narrada por homens que desejavam controlá-la, por homens que fizeram e ainda fazem de tudo para apagar a chama da memória com o objetivo de extinguir o fogo da verdade que, para eles, é muito perigoso. Deve-se ter muito cuidado com estes homens, pois eles são perigosos e violentos, e fazem de tudo para permanecerem na esfera do poder. As histórias narradas por eles sempre foram escritas ao longo dos séculos com sangue daqueles que podiam guardar lembranças e procurar a verdade. Muitos daqueles homens ainda hoje em dia procuram negar ou distorcer fatos históricos como as Cruzadas e a Inquisição. Muito do que foi e ainda é ensinado por aqueles homens permanece como verdade autêntica.

    Um dos fatos históricos suprimidos é aquele narrado por Quintus Septimius Florens Tertullianus (160-220), Bispo de Cartago, conhecido como O Pai Adiantado da Igreja, quem admitiu conhecer as origens verdadeiras da personalidade de Jesus de Nazaré e de narrativas religiosas sobre deuses-homens que foram adaptadas à pessoa dele [Gnostic and Historic Christianity – Gerald Massey – Holmes Publishing Group – Edmonds, Washington, United States (1985) – ISBN: 0916411516]. A tarefa agora é mostrar evidências sobre quem de fato foi Jesus de Nazaré, creditado pelo Cristianismo como Messias.

    Convém lembrar que a expressão hebraica Ha-Mashiach é usada para designar O Messias, isto é, o Ungido, aquele que, por ter recebido a unção com óleo, segundo a Torá, estava revestido do poder divino. Embora muitas religiões do mundo antigo mencionem um rei que voltaria no fim dos tempos, não se pode afirmar com certeza, por exemplo, que tal rei é um rei salvador escatológico. Os persas acreditavam que um salvador viria para purificar o mundo, destruir o mal e ressuscitar os mortos. David foi um rei justo, piedoso, iluminado pelo Eterno e, por isto, ele foi vitorioso. Através dele, Israel expandiu os seus territórios. Sua realeza devia permanecer para sempre, o que foi justificado pela promessa do Eterno de jamais faltar com David. Em particular, o Profeta Isaías apresenta o Messias como pertencente à linha real davídica. Assim, ficou famosa a passagem:

    Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará ?Deus Conosco?. (Isaías 7,14)

    O Profeta Miquéias segue a reflexão do Profeta Isaías e acrescenta:

    Miquéias 5,1-3: Mas tu, Belém Efrata, tão pequena entre os clãs de Judá, é de ti que sairá para mim aquele que é chamado a governar Israel. Suas origens remontam aos tempos antigos, aos dias do longíquo passado. Ele se levantará para (os) apascentar, com o poder do Senhor, com a majestade do nome do Senhor, seu Deus. Os seus viverão em segurança, porque ele será exaltado até os confins da terra. (Miquéias 5,1-3)

    O Profeta Jeremias afirma que o Messias será da casa de David:

    Dias virão ? oráculo do Senhor ? em que farei brotar de Davi um rebento justo que será rei e governará com sabedoria e exercerá na terra o direito e a eqüidade. Sob seu reinado será salvo Judá, e viverá Israel em segurança. E eis o nome com que será chamado: Javé-Nossa-Justiça! (Jeremias 23,5-6)

    Eis o que diz o Senhor dos exércitos: ?Neste lugar que é deserto, sem homens nem animais, e em todas as suas cidades, haverá novamente abrigo para os pastores que apascentarão seus rebanhos. Nas cidades das montanhas, nas planícies e nas do Negeb, na terra de Benjamim, nos arredores de Jerusalém e nas cidades de Judá hão de passar ainda rebanhops pela mão do que os conta ? oráculo do Senhor. Eis que outros dias virão. E nesses dias e nesses tempos farei nascer de Davi um rebento justo que exercerá o direito e a eqüidade na terra. Naqueles dias e naqueles tempos viverá Jerusalém em segurança e será chamada Javé-Nossa-Justiça.? (Jeremias 33,12-18)

    O Profeta Ezequiel fala de um Messias apocalíptico e escatológico que apascentará Judá e Israel, novamente unificados, e será príncipe para sempre.

    Eis o que diz o Senhor: ?Pegarei eu mesmo da copa do grande cedro, dos cimos de seus galhos cortarei um ramo, e eu próprio o plantarei no alto da montanha. Eu o plantarei na alta montanha de Israel. Ele estenderá seus galhos e dará fruto; tornar-se-á um cedro magnífico, onde aninharão aves de toda espécie, instaladas à sombra de sua ramagem. Então todas as árvores dos campos saberão que sou eu, o Senhor, que abate a árvore soberba, e exalta o humilde arbusto, que seca a árvore verde, e faz florescer a árvore seca. Eu, o Senhor, o disse, e o farei.? (Ezequiel 17,22,24)

    ?Para pastoreá-las suscitarei um só pastor, meu servo Davi. Será ele quem as conduzirá à pastagem e lhes servirá de pastor. Eu, o Senhor, serei seu Deus, enquanto o meu servo Davi será um príncipe no meio delas. Sou eu, o Senhor, que o declaro.? (Ezequiel 34,23-24)

    Assim, de acordo com a perpetuação da dinastia davídica, o Messias esperado deveria ser um rei descendente da casa de David. E isto foi o que muitos judeus esperavam também entre os anos 1 d.e.c. e 40 d.e.c., época em que, segundo relatos dos Evangelhos, surgiu Jesus de Nazaré. Mas quem de fato foi Jesus de Nazaré?

    Quando os Macabeus foram confrontados com a religiosidade dos gregos eles não aceitaram, de imediato, fatos desta religiosidade, tidos como históricos. Por outro lado, muitos judeus ainda hoje aceitam as narrativas dos Evangelhos como se de fato elas tivessem ocorrido. A explicação para este problema é que muitos cristãos não conhecem a distinção entre História Narrada como um fato e Crenças Cristãs. Esta falta de distinção, infelizmente, também foi passada para a comunidade judaica gerando confusão. A idéia de que existiu Jesus de Nazaré Histórico firmou-se tanto na sociedade cristã que também judeus que vivem no mundo cristão aceitaram cegamente as narrativas dos Evangelhos como verdadeiras e também porque eles nunca presenciaram debates e discussões destas narrativas. Apesar da difundida crença em Jesus de Nazaré, permanece o fato de que não há praticamente registros históricos de Jesus de Nazaré.

    Para entender um pouco o significado de Jesus de Nazaré, considere o Rei Midas da Mitologia Grega. A história de que o Rei Midas transformava tudo o que tocava em ouro não é verdadeira, mas apesar disto existiu o Rei Midas. Para entender esta história deve-se saber que os frígios são originários da Trácia e que conquistaram a capital hitita de Bogazkoy (localizada atualmente na Turquia), cerca de 1250 a.e.c. A Trácia atualmente é uma região administrada pela Grécia e se estende pela Turquia e Bulgária. Os frígios estabeleceram seu reino sobre a maior parte da Anatólia Ocidental e Central. A Anatólia é o nome que se costumava dar à antiga Ásia Menor, muitas vezes designada ainda como o conjunto de regiões que compreende a Turquia Asiática. É uma península que se projeta no sentido leste-oeste ao sul do Mar Negro, em direção ao Mar Egeu. É uma região tradicionalmente limitada pela porção alta do Rio Eufrates a leste e pelos Montes Taurus ao sul, constituindo-se grande parte de sua área de planaltos e montanhas.
    Os frígios utilizaram o alfabeto fenício, e sua escrita pode ser vista hoje nos monumentos da cidade de Midas, ao sul de Eskisehir, na Turquia. A cidade de Midas (Gordion) foi a capital da Frígia, assim chamada por causa do Rei Midas e de seu pai Gordion. A lenda do Rei Midas e do seu dedo de ouro surgiu devido a enorme riqueza que este rei possuía. No ano de 695 a.e.c. os frígios foram derrotados em Gordion, na Guerra Cimeriana. Apesar do império ter sido tomado pelos lídios, o idioma Frígio foi falado até o ano 300 d.e.c. Estes se esforçaram por preservar sua cultura mesmo durante o domínio do Império Romano.

    Há alguns anos atrás, arqueólogos escavaram o túmulo do Rei Midas e encontraram os seus restos esqueléticos. Relato referente a estes estudos arqueológicos pode ser examinado em um artigo publicado pela revista Science. O artigo publicado possui a seguinte referência:

    Anatolian Tree Rings and a New Chronology for the East Mediterranean Bronze-Iron Ages – Sturt W. Manning, Bernd Kromer, Peter Ian Kuniholm, and Maryanne W. Newton – Science, Volume 294, Number 5551, Pages: 2532-2535 – December (2001)

    O referido artigo pode ser encontrado nas seguintes páginas da internet:

    http://www.sciencemag.org/cgi/...../5551/2532
    http://www.sciencemag.org/cgi/.....1/2532.pdf

    Os gregos que criaram a história do Rei Midas Mitológico e o seu fictício toque dourado desejavam que ele fosse relacionado com o Rei Midas Histórico. Por isto, apesar da história do toque dourado ser ficção, a história é acerca de alguém cuja existência é dada como um fato real, o Rei Midas Histórico. No caso de Jesus de Nazaré, no entanto, não há quase registros de sua existência histórica. Por que? Para esclarecer isto precisamos conhecer informações sobre os Fariseus e os Notzrim.

  6. His alleged crucifixion at the hands of the Romans, for one. As I mentioned earlier, crucifixion was typically reserved for murderers and seditionists; two of the most serious crimes under Roman law.

    There’s also the fact that the NT goes to great lengths to describe how Pilate repeatedly declares that he can find no crime that Jesus has committed. Further, according to the NT version of alleged events, Pilate thrice declares Jesus to be innocent and that he will release him accordingly (but not, inexplicably, without punishing him first). Again according to the NT version of alleged events, after Pilate has officially declared Jesus innocent of all charges against him, he, inexplicably, acquisces to the presssure of the crowd (and not the Sanhedrin, having already dismissed the wishes of the Sanhedrin by trying Jesus and finding him innocent of all of their charges) in a supposed ritual that (a) was not a Roman tradition that I have been able to corroborate and (b) would not apply to Jesus anyway, since he was acquitted of the crime prior to Pilate responding to the crowd’s inexplicable calls to have him crucified.

    In other words, according to the NT version, Jesus was never a criminal under Roman jurisprudence and was, in fact, acquitted of all charges against him.

    As far as I can figure out regarding this alleged ritual, a convicted criminal of the people’s choosing is set free on Passover (or whatever the apologetic was); as evidenced by the convicted murderer Barrabus being set free (a whole ‘nother mess of illogic, since to be a convicted murderer in Roman eyes would most likely mean that the criminal had murdered a Roman citizen). Jesus, however, was not a criminal and was already free, due to his acquittal by Pilate, before said ritual was instigated. How can one offer up an innocent, free man as part of a ritual that allegedly is supposed to be the clemency of a convicted criminal?

    We know from extrabiblical accounts that Pilate was not exactly the kind of ruler who would fear a crowd of Jews; indeed, his brutal slaughter of the Samaritans was supposedly what got him recalled to Rome where he committed suicide, yet this is what the NT version of events would have us believe; that Pilate, after having gone to the trouble of thrice declaring Jesus innocent of all charges, nonetheless orders him to be crucified (the worst possible capital punishment) for committing no crime whatsoever all because he feared a crowd of people he was, apparently, brutally oppressing.

    Remember, Pilate did not fear the Sanhedrin at all, as evidenced by the fact that he tried Jesus according to their wishes and, contrary to their wishes, found him officially innocent of all charges they brought against him. It is only the fear of the crowd that allegedly (and inexplicably) motivates Pilate to put a man he has just declared innocent to death, in one of the most horrific manners available (crucifixion).

    In other words, nothing about the NT version of events makes any kind of sense (historical or otherwise), on many different levels, which, by inference and in keeping with the fact that crucifixion was typically reserved for murderers and seditionists logically would mean that, if a man named Jesus had been crucified by the Romans, the most likely reason would be because of sedition (though, admittedly, murder can’t be ruled out).

    If you recall what I said and you agreed with (“legend based on fact”), then a Rabbi who preached a radical (or, at the very least, non-orthodox) reform of Judaism (as evidenced by the Sayings Gospel Q studies, which show a Rabbi primarily concerned with wisdom sayings and reforming Jewish dietary and hygiene laws) and one who, allegedly (again “legend based on fact”) caused quite a scene in the Jewish Temple, it would logically follow that such a Rabbi would more likely have been crucified by the Romans for seditionist acts than murder.

    Once you rule out the NT version of the trial and the subsequent inconsistencies and illogic of Pilate fearing the crowd he was ruling over as to condemn a man he has officially declared to be innocent of all charges to death in one of the most eggregious forms of capital punishment available, then one is left with either sedition or murder as a more likely (and historically plausible) scenario, yes?

    ———-
    Danny do you have any comments on this post?
    discussion taken from

    http://www.iidb.org/vbb/showth.....end+ignore

  7. The idea that you can do enough deeds or pray your way to salvation is wrong. It sounds great to people who want to believe they are better than others (I pray so I?m more righteous than you- not so).

    Only ALLAH knows the true intention of each individual.Prayer and good works reinforce faith in ALLAH ALMIGHTY.The main purpose of prayer is not only to express gratitude, but remind the human being that he is to return towards his lord.When Muslims come together and perform prayer in congregation, and kneel together, this is a very stark reminder that all of mankind will come together to account to their lord .Thus coming together, just as in Arafat, is a reminder of this reality of accountability and that ALL HUMAN BEINGS ARE EQUAL BEFORE THEIR LORD.THe point of accountability manifests itself outside the Mosque , because IT BREAKS DOWN ALL BARRIERS OF SUPERIORITY BETWEEN MEN.When the rich and poor pray together , they realise THAT THEY ARE ALL EQUAL BEFORE THEIR LORD.And that all are dependant on HIM.Thus they treat each other with dignity and respect irrespective OF DIFFERENCES IN RACE, FINANCIAL STATUS, and so on.

  8. hi annette,
    we muslims also believe that no one will enter paradise by their works, but through the Infinite Grace of the Merciful God. yes, He is so good and He cannot bear to be with evil that He purifies His believing servants through His Mercy, not through blood. He is not a pagan god who requires blood sacrifice. annette, you have nothing to offer us Muslims, but we have something to offer you. you offer us purification from sin, we may have that, if God Almighty wills. but we offer you true salvation without blood. just one question: CAN God forgove sins without blood, or CAN He NOT? God can, we Muslims believe. If you say that He can’t, it is obvious that the muslim concept of God is better, for He forgives unconditionally; all you have to do is ask, and ask Him only. if you say He can, then you know that you are obviously outside the fold of christianity, by denying the efficacy of Christ’s sacrifice. please do not disdain God’s Mercy, just like He said in the Holy Qur’an. a reply from you will be highly appreciated. I pray that God guides you the truth.

  9. I agree Asim and again, we sin and God forgives. He forgives again and againm without loosing anything, precisely because He is Holy and loving. If I heard of a holy man and wanted to approach him and he said “don’t come near me, I can’t stand you because you sin a lot and I am so very holy”, I would have to conclude he is a crazy man.

  10. when the deciples were witnessing the suffering of your god on the cross i assume that you believe they were witnessing an ultimate good deed.your god sounds like a hypocrte when his crucfixion is examined in light of :

    matthew 6:1-41″Be careful not to do your ‘acts of righteousness’ before men, to be seen by them. If you do, you will have no reward from your Father in heaven. 2″So when you give to the needy, do not announce it with trumpets, as the hypocrites do in the synagogues and on the streets, to be honored by men. I tell you the truth, they have received their reward in full. 3But when you give to the needy, do not let your left hand know what your right hand is doing, 4so that your giving may be in secret. Then your Father, who sees what is done in secret, will reward you

  11. The question is not about what God can and cannot
    do… the question how a Muslim views sin as opposed to a Christian… it would be absurd to assume that God created men with free-will, and further placed emotions in him, and not expect him to make mistakes… in Christian theology, it is assumed that man was meant to be flawless, and innocent… and further, because his father ate from the tree, he inherited a sin was sent to a place of punishment and despair and could only await a saving grace to redeem him… on the other hand, in Islam, God has allowed men to err, not only so that his slaves would learn from their mistakes… life is a trial, and many
    mistakes that we make, allow us to realize our own
    shortcomings and what we need to develop…

    thus, it is not a question of God’s perfection, but about man and his attitude towards his own actions…does he correct them, and learn from them, at the same time, developing his own will to submit to his Creator…

  12. Annette, you say that God is so good that He cannot bear to be in the presence of sin. Therefore, He decided to sacrifice an innocent man for the sins of others. I find such a god to be problematic. Why can’t he just forgive people, precisely because He is so good? Why does He need to act like a Shylock?

  13. In search of who really allah is, I came across your comment on Christianity. Just to clear one thing up. We are not polytheists. We believe in one God the almighty Jehovah. The trinity is His 3 personalities if you will. He is who we need Him to be. He is God (there is none beside Him), son (the sacrifice we all need to reconcile us to God), and spirit (that guides our every move). We worship Jesus because we know we will never be good enough or do enough to be saved in our own power because even one sin is too much. God is so good that He cannot bare to be in the presence of sin. The idea that you can do enough deeds or pray your way to salvation is wrong. It sounds great to people who want to believe they are better than others (I pray so I’m more righteous than you- not so). But as a Christian I know I am no better than my brother for “all have sinned and fall short of the glory of God”. In summation: one God not three, no amount of prayer or good deeds will save you from the penalty of sin (only the perfect sacrifice of Jesus will) and I will pray that God will reveal himself to you during your many daily prayers. P.S. I will have great respect for you as a person who is a friend of truth if you have the courage to post this on your website. If you censor it, my suspicions about these types of teachings will be confirmed. God bless you no matter what you decide.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *